Inovar: uma escolha além dos tempos de crise

Inovar: uma escolha além dos tempos de crise

mao segurando tablet que mostra uma lampada e icones no ar simbolizando inovacao

A instabilidade faz a oportunidade.

Assim, empreendedores mundo afora alteram as rotinas de suas empresas em favor de uma mentalidade inovadora. Essa postura traduz o espírito desses tempos de crise ocasionada pelo Covid-19, em que muitos empresários buscam avaliar sua trajetória e trilhar novos caminhos para driblar as dificuldades. A inovação surge, neste momento, como uma forte aliada para manter o negócio no mercado e explorar novas possibilidades de atuação.

No entanto, para implementá-la, é necessário estimular uma nova cultura dentro da empresa, capaz de gerenciar fatores internos e externos, como competências, ambiente de negócios, processos e recursos.

“A principal barreira para inovar está na demora para perceber que é preciso… inovar.”

“A principal barreira para inovar está na demora para perceber que é preciso… inovar. Na maioria dos casos, as ações surgem, exatamente, a partir de um cenário desfavorável, de queda nas vendas, de um novo produto do concorrente ou diante de um mercado mais competitivo”, explica o gerente de Produtos do Senac em Minas, Tiago Carvalho.

Então, qual é o momento ideal para começar um processo contínuo de inovação, alinhado às estratégias da empresa?

O melhor instante é agora, pois a mudança exige que a inovação cresça de dentro para fora. Assim, o primeiro passo é entender a missão, a visão e os valores da empresa, bem como descobrir quem são os clientes e como atender as suas necessidades. Desta forma, será possível fortalecer a marca e enxergar oportunidades de evolução para o negócio.

A avaliação do atual cenário também é primordial para promover mudanças. Não por acaso, diante do isolamento social, investir tempo nos meios digitais se tornou uma oportunidade para se conectar ao cliente. Segundo Carvalho, a empresa deve marcar presença nas redes sociais para se manter na ‘cabeça’ do consumidor. “O empresário que não pode vender, no momento, deve mostrar seu propósito e divulgar as novidades que irá trazer após a crise. Já aqueles que podem comercializar tem a chance de ressaltar seus produtos e investir na experiência de compra do cliente”, ensina.

“O empresário que não pode vender, no momento, deve mostrar seu propósito.”

Como se trata de um processo constante, após a pandemia, a empresa deve seguir inovando e estimular que essa cultura permaneça no dia a dia de seus colaboradores. “Alinhado às necessidades do cliente, o ideal é que o empresário pense em novos serviços, atenda de forma personalizada, redobre os cuidados com a limpeza do estabelecimento e oriente seu público”, pondera Tiago. Com esses cuidados, logo a inovação incremental mostrará aos clientes o valor da sua empresa e a preocupação com a qualidade de seus produtos e serviços.

Confira seis dicas para inovar no seu estabelecimento

  1. Entenda a missão, visão e valores da empresa dentro do mercado, quem são seus clientes e, assim, adapte-se as formas de consumo do público;
  2. Crie um ambiente de confiança e estimule sua equipe a se qualificar. Neste período de isolamento social, várias empresas da área de educação disponibilizaram cursos gratuitos e de qualidade;
  3. Esteja atento ao seu redor, escute seus funcionários, principalmente os que lidam diretamente com o cliente;
  4. Procure observar as tendências de mercado, pois, com o avanço tecnológico, torna-se cada vez mais indispensável olhar para a frente;
  5. Estabeleça metas claras e monitore os resultados constantemente;
  6. Conte com parceiros para crescer e reduzir custos. A Fecomércio MG, além de atuar na defesa do setor terciário, também oferece aos seus representados mais de 30 produtos e serviços com condições exclusivas. Acesse o site para saber mais!